Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Vida da Gorduchita

A Vida da Gorduchita

22
Jan19

Prematuridade vs Mortalidade Infantil... ou, Como eu Sou Grata

Ontem (ou anteontem) foi notícia o aumento da mortalidade infantil em Portugal, em 2018. Dizia a primeira notícia que vi que tinha aumentado 26% relativamente a 2017. Fiquei assustada com tal valor que, percebi depois, se revelou um uso inadequado da estatística.

 

Sim, é verdade que aumentou. Mas também é verdade, do que depois li das palavras da Diretora Geral de Saúde, que a comparação apenas com 2017 não faz sentido, e que quando se compara 2018 com 2017 o aumento em valor absoluto é de 6 mortes (o que, em cerca de 88 mil nascimentos, não é muito - escuso-me a analisar o impacto de cada morte nas suas famílias, como é óbvio).

 

Mas o que me chamou mais a atenção da informação veiculada pela DGS foi isto:

«(...)194 dos 289 óbitos infantis registados em 2018 ocorreram na fase neonatal, ou seja, até aos 28 dias de vida.

Dessas 194 mortes neonatais, 100 tinham sido bebés prematuros de gestações com menos de 28 semanas, que são considerados os “grandes prematuros” e apresentam maior risco de mortalidade e de complicações associadas.»

 

Ou seja, mais de um terço das mortes deveram-se à prematuridade extrema dos bebés

 

20140717-125046 - Sara 015.jpg

A minha S. com 3 dias

 

Não sei quantos prematuros extremos nasceram em 2018. Não sei quanto representam aquelas 100 mortes, em termos percentuais (numas contas muito rápidas usando aquelas que são as estatísticas mais habituais da prematuridade, que dizem que cerca de 10% dos nascimentos são pré termo e destes apenas 3% são com menos de 28 semanas, diria que o número andará da ronda dos 300). Mas cada uma delas me lembra que, em 2014, a minha S. fez parte daquele grupo dos "grandes prematuros" e que a sua probabilidade de sobrevivência estava muito longe da dos bebés de termo.

 

E cada notícia destas me lembra como devo ser (e sou) grata pelo milagre da vida da minha pequenina! (eu sei, falo disto muitas vezes... é que me marcou mesmo muito)

28 comentários

Comentar post

Pág. 1/2