Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Vida da Gorduchita

A Vida da Gorduchita

31
Jul18

Depo Provera: Uma auto análise

Um primeiro enquadramento:

A minha capacidade de auto conhecimento, nomeadamente, em termos de reações corporais, sempre foi baixa. Raramente consigo associar a ação A com a reação B. Tipo, "ah sempre que como espinafres, aparece-me uma verruga no nariz"!

Tenho muito dificuldade em associar coisas, em perceber sintomas, em relacionar eventos.

 

Dito isto:

Depois da ter a S. sabíamos que não queríamos pensar em filhos tão cedo e sou franca, andava pouco a apetecer-me voltar à pílula. Em conversa com o meu médico, e porque estava farta de introduzir hormonas no meu corpo, optei pela colocação do DIU de cobre.

A colocação em si foi mais ou menos pacífica mas a adaptação não. Tinha perdas muito frequentes e muito intensas, com alguma dor associada. Ao fim de cerca de meio ano, optei por tirá-lo.

 

Tinha de voltar a tomar uma opção, e a mais simples, foi voltar à pílula por uns tempos enquanto ponderava. Mas confesso que eu e a pílula nunca nos entendemos muito bem e eu, além de me esquecer, de quando em vez, sou uma batoteira. Acabo a caixa antes do tempo, prolongo mais uns dias se me dá jeito... enfim... uma salgalhada hormonal.

 

O meu médico, na última consulta, e voltando a falar sobre o tema, sugere-me o Depo Provera (Acetato de medroxiprogesterona), um injectável com hormonas similares às do DIU hormonal, que se faz de 3 em 3 meses.

A solução ideal, pensei eu. É barato (cada dose fica em 0,87€, aproximadamente), fácil de aplicar (admito, apliquei em mim mesma a 2ª dose) e ainda tem a vantagem de poder suprimir a menstruação (algo que, confesso, me agrada bastante).

Fiz a primeira aplicação em Março deste ano, repeti em Junho.

E andava muito satisfeita com a coisa até que...

 

Li recentemente o testemunho da Carla relativamente ao uso do DIU Mirena. Na sequência disso, também fui ler o que a Fátima tinha a dizer sobre o assunto.

Pus-me a pensar se, no caso do Depo Provera, também haveria assim casos de insatisfação e de sintomas anormais.

Fiz uma pesquisa na internet e encontrei vários testemunhos. A maior queixa é a de aumento de peso. Acrescem outras de alterações comportamentais.

Daqui a começar a fazer uma auto análise foi um pulinho.

 

Como partilhei aqui, entre Abril e Junho recuperei todo o peso que havia perdido desde o início do ano. Não me tenho pesado, mas a minha roupa diz-me que o cenário não tem estado melhorar.

Olhando em retrospetiva, desde Abril que o meu apetite aumentou significativamente, o meu desejo de doces disparou, sinto-me cansada, especialmente, a nível mental, mais apática...

Também a minha pele manifesta alguma reação, estando um pouco mais oleosa, assim como o cabelo.

 

Se posso culpar o Depo Provera disto tudo? Não sei bem. A verdade é que engordei porque tenho comido mais e não tão saudável. Mas, pensando bem, se calhar não assim tanto como a balança e a roupa refletem.

Pondero muito seriamente não fazer a próxima toma, prevista para Setembro, e ver como reaje o meu corpo. Vou ter alguma pena de ter de me voltar a chatear com a menstruação, mas como nunca foi coisa de me causar grande incómodo (a não ser ter de andar a trocar os absorventes), é mal menor.

 

Preciso é de perceber se é real a sua ação sobre mim, ou se estou a fazer dele um bode expiatório!

 

Alguém desse lado com experiência neste contracetivo?

 

12 comentários

Comentar post