Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Vida da Gorduchita

A Vida da Gorduchita

18
Jul18

Grata

Admito: queixo-me frequentemente, faço contas todos os meses, acho que podia/devia ganhar mais...

 

Mas depois, vou à calculadora que o Eurostat disponibilizou aqui e percebo que temos um rendimento líquido superior a 90% das famílias portuguesas com estrutura similar à nossa.

 income.PNG

E lembro-me que devo ser grata.

Grata todos os dias.

Grata porque ambos temos emprego e trabalhamos em empresas bem estruturadas que pagam o salário a tempo e horas.

Grata porque temos uma (boa) casa para viver, temos viaturas para nos deslocarmos, temos alimento na mesa, temos saúde para trabalhar e para brincar.

Grata porque podemos dar-nos ao luxo de jantar fora de vez em quando, de ir dar uns passeios, de comprar o que precisamos (e até o que poderíamos dispensar, algumas vezes), de irmos aqui ou ali de férias.

 

Não devia ser preciso pôr as coisas em perspectiva para ser grata, mas fazê-lo claramente ajuda!

17
Jul18

4 anos depois, notícias boas!

Faz hoje 4 anos que comecei a minha rotina (que durou 113 dias) de idas diárias ao Hospital de São João para estar com a minha pequenina. Uma rotina difícil, dura, exigente emocional e fisicamente.

Até à sua alta, fui lá todos os dias, sem exceção, sendo que, na maioria deles, chegava à Neonatologia pelas 10h e saía pelas 20h (com um pequeno intervalo para almoço). 

 

Hoje, a S. teve consulta de Psicologia Clínica com a Dra.S. (o mesmo S, exatamente). A Dra.S. acompanhou-a desde os primeiros dias na Neo, pelo que é dos profissionais que melhor pode avaliar a sua evolução, o seu desenvolvimento.

A consulta correu de forma maravilhosa. A S. portou-se super bem, respondeu a tudo, resolveu todos os exercícios de avaliação (alguns, com distinção).

Diz a Dra.S. que a minha S. está ao nível de uma criança de 5 anos no que respeita a vocabulário / linguagem e capacidade de raciocínio lógico. Que está de Parabéns pelo seu desenvolvimento, ainda mais atendendo ao "arranque" complicado que teve.

 

Coisas boas de se ouvir e vivenciar neste 4º aniversário do início de uma fase muito difícil da minha vida!

10
Jul18

Notas Soltas

* No sábado, eu e a S. fomos usufruir da piscina de um vizinho. Estava uma bela tarde de sol e estivemos cerca de 45 minutos na água. O meu instinto dizia-me que devíamos ter saído mais cedo, porque estavamos sem proteção na cabeça, mas ela estava divertir-se tanto que fui prolongando a permanência na água.

Resultado: no domingo quando acordou queixava-se de dores de cabeça. A meio da tarde, estava com 38,4º. Apesar do paracetamol, à noite (nem 5h depois do medicamento), estava com 39,1º. Toca a tomar ibuprofeno. Até hoje de manhã, a temperatura nunca baixou por mais de 8h (o melhor que se conseguiu) e atingia sempre os 39º. 

Além da febre, volta e meia ia-se queixando que lhe doía as pernas e nota-se que anda bastante mais carente.

Hoje, depois de uma noite em que suou imenso, parece estar a conseguir passar o dia sem que a febre dê sinal. Espero que assim se mantenha.

E valha-nos os avós, que sem eles, estes dois dias teriam sido bem mais complicados.

 

* Numa procura por outras coisas, encontrei, no armário do quarto de hóspedes, 4 blusas de verão que já quase nem me lembrava que tinha (desvantagens de ser desorganizada). Esta "descoberta" veio dar um novo alento ao meu guarda roupa, que está mesmo, ainda assim, a precisar de um investimento (ou de um emagrecimento...).

 

* Já está imensa coisa adiantada para a festa da S. embora ainda esteja a magicar alguns detalhes para a decoração da mesa e do espaço. Mas já encomendei os acepipes, já contratamos uma animadora para as pinturas faciais, já temos os convidados quase todos confirmados, já reservei o dia anterior para adiantar tudo e já comprei os ingredientes que me faltavam para o que vou preparar em casa. 

Ainda não lhe compramos presente e, com a idade que tem, isso já não lhe passa despercebido, pelo que temos mesmo de tratar disso.

 

Sinto, a cada dia, que preciso dar uma volta à minha vida. Dois posts que li nestes últimos dias - este este - lembraram-me, como se eu não soubesse, que a escolha é minha e o caminho tem de ser trilhado por mim. Estar à espera que as coisas aconteçam... bem, é como querer acordar magra: Não vai acontecer!!!

Ainda não sei bem o que vou fazer nem como, mas prometo-vos que vou, aos poucos, começar a tomar rédeas à minha vida e introduzir as mudanças que quero. Só assim poderei esperar ver resultados.

 

09
Jul18

MC

Era uma vez uma menina, a do meio de 3 irmãos, nascida no seio de uma família nada abastada do vale do Ave.

MC, assim se chamava, era uma menina muito aplicada na escola. Quando terminou a 4ª classe, a professora chamou a mãe e disse-lhe que era uma pena que MC não seguisse estudos. O pai não deixou. Se os outros irmãos não iam estudar, ela também não ia, mesmo havendo quem se tivesse oferecido para suportar os custos.

MC foi então trabalhar. Pequenina e de passo rápido, era rapariga muito trabalhadora e super despachada. Tão despachada, que o patrão teve dúvidas em automatizar o processo que ela desenvolvia, por achar que a máquina dificilmente seria tão rápida quanto ela.

MC casou tarde para a sua geração. Subiu ao altar aos 24 anos. Foi mãe pela primeira vez aos 25, na véspera do primeiro aniversário de casamento. 

Nos 15 anos seguintes, foi mãe mais 5 vezes, tendo sido abençoada por não ter perdido nenhum filho - algo pouco comum à época.

 

Quando a filha mais velha terminou a 4ª classe, MC foi chamada à escola. Era uma pena aquela menina não ir estudar, disse-lhe a professora. E MC voltou ao passado, que não quis repetir.

Convenceu o marido a deixar a filha estudar. Na verdade, a filha mais velha e todos os outros. Uma decisão nada fácil, para dois operadores fabris. Eram um caso raro para quem vivia numa aldeia e numa família daquele nível de posses, em que todos os 6 filhos estudaram até onde quiseram. Em boa verdade, alguns quiseram desistir antes mas MC não deixou que abandonassem a escola antes de terem um curso (naquele tempo, um curso profissional, que fosse).

A mais velha, essa, continuou os estudos até ao ensino superior, tornando-se professora do ensino primário (mais tarde, viria a tirar a licenciatura em Português / Francês e seguido para a docência no ensino secundário).

 

O tempo viria a ditar como aquela decisão havia sido acertada, pelo acompanhamento que aquela filha lhes pode dar nos últimos (e não tão últimos) anos, por ter um emprego que lhe permitia manhãs ou tardes livres.

O tempo viria a ditar como aquela decisão, de orientar toda uma vida para benefício dos filhos, lhes havia de trazer frutos pelo carinho e amor que todos eles lhes tinham.

 

MC teve uma vida de cumplicidade com a sua cara metade (tão óbvia que não passava despercebida a ninguém) e um amor dos filhos como poucas mulheres do seu tempo se podem gabar.

MC foi feliz, apesar da recusa do pai (ou, se calhar, um pouco por causa dela).

 

 

06
Jul18

Desafio 52 semanas | Semana 27

Coisas divertidas para se fazer nas férias

Há tantas coisas divertidas para se fazer nas férias (e fora delas)...

 

 * Encher a pequena piscina no terraço e ver a diversão da minha filha lá dentro

 * Fins de tarde na esplanada

 * Piqueniques no parque (e não só)

 * Viajar e conhecer novos lugares ou revisitar lugares que adoramos

 * Ler

 * ...

 

Neste TAG participam para além de mim, a 3ª face, a Ana, a Catarina, o Carlos, a Carlota, a Charneca em Flor, a Daniela, a Desarrumada, o David, a Fátima, a Happy, a Hipster Chic, a Isabel, a Mãe A, a Mariana, a Maria Mocha, a Marquesa de Marvila, a Mimi, a Paula, o P.P, a Sweetener, a Sofia  e o Triptofano 

(nomes ordenados alfabeticamente)

Espreitem o que cada um de nós vai respondendo ao longo do ano.

05
Jul18

Festa dos 4 anos | Ainda os preparativos

Continuo na saga dos preparativos para a festa da S.

 

E antes de mais, um pedido de desculpas! Bem sei que pedi a vossa opinião (as quais muito agradeço), e que maioria pendeu para a Minnie vermelha, mas a aniversariante gosta mais de cor-de-rosa, por isso, Minnie rosa será!

Portanto, tema e esquema de cores escolhidos.

 

 

Os convites já foram enviados (via sms) e já temos algumas confirmações. A ver se até ao fim de semana as outras pessoas respondem também.

 

O bolo está escolhido e encomendado. Acho que vai ficar bem giro e que a S. vai gostar.

 

Já encomendei uns balões da Minnie, já imprimi bandeirolas e faixa de Parabéns. E já comprei uns guardanapos cor de rosa forte (aproveitando promoção da IKEA).

Ainda devo imprimir mais umas coisitas para decorar a mesa (e identificar a comida, por exemplo). E de decoração, já fica alinhado. Não vale a pena exagerar.

 

Ainda hoje vou tratar de encomendar os acepipes. O resto de comes e bebes pode ser tratado mais perto do dia.

 

Andamos também a pensar arranjar alguém para fazer pinturas faciais aos miúdos. A S. adora e, de certeza, vai ficar maravilhada de ter alguém "na casa dela" a fazê-lo! :)

 

Acho que vou tirar férias na véspera para poder com calma fazer dois doces, tratar da compra do que faltar para o dia e colocar a decoração no sítio em casa dos meus sogros.

 

 

02
Jul18

Consulta de rotina dos 4 anos

Hoje tivemos consulta de rotina no pediatra com a S. Ela está quase a fazer 4 anos, e achamos por bem ir fazer-lhe "a revisão"! 

 

Primeiro, dizer-vos que devem existir poucas crianças que se portem tão bem como ela nas consultas. Alinha em tudo, deixa fazer tudo e, no fim, ainda dá um beijinho ao médico! 

 

Segundo, está tudo bem. Viu olhos e garganta, auscultou peito e costas, fez palpação do abdómen e do pescoço, pesou, mediu, fez testes de visão com aqueles quadrinhos com imagens cada vez mais pequeninas, avaliou coluna vertebral... E está tudo ok.

 

Terceiro, o pediatra da S. é um optimista. Sempre que vai registar peso e altura nos quadrinhos do Boletim de Saúde dela, faz sempre uns desvios e uns pontos mais gordos (não se pode chamar ponto a algo que tem uns 3mm de diâmetro, mas pronto...). Ele bem quer pô-la algures numa sequência e a estar dentro dos percentis mas a verdade, em rigor, é que a rapariga está abaixo do percentil 3, tanto em altura como em peso.

O que interessa, claro, é que ela está de saúde. É baixinha e magrinha, mas isso não me preocupa nadinha! :)

01
Jul18

TAG "Completando frases"

A Anita nomeou-me e lá está, em fase de pouca inspiração, estas tags são uma excelente ajuda para manter o blog vivo! :)

Obrigada, Anita.

 

Qualquer uma das frases poderia ser completada de 1001 outras formas mas, foram estas que saíram, desta vez.

 

Sou muito preguiçosa. Consequentemente, um pouco (bastante) desorganizada. Também sou muito gulosa.

 

Não suporto injustiças, maus tratos a crianças, ...

 

Eu nunca fumei (nem sequer experimentei). Chumbei um dente - consegui chegar aos 40 sem que me remendassem dentes. Acho isto maravilhoso (principalmente porque odeio ir ao dentista).

 

Eu já subi à Torre dos Clérigos mais de 5 vezes. Andei de hidroavião. Vi um urso na natureza. Nadei num rio subterrâneo. 

 

Quando era criança achava que ia ser um adulto bem melhor do que na realidade sou. É uma triste constatação e a responsabilidade não é de mais ninguém se não minha!

 

Neste exato momento escrevo isto e penso que nunca mais são 18h!

 

Eu morro de medo de perder a saúde, de que os meus percam a saúde, de que algo ruim aconteça à minha filha, que a minha filha não seja feliz.

 

Eu sempre gostei de ler, de escrever, de conversar, de leite creme, de gatos.

 

Se eu pudesse largava o emprego, vendia a casa e os carros e ia viajar pelo mundo.

 

Fico feliz com o riso da minha filha.

 

Se pudesse voltar no tempo e estivesse ao meu alcance, avisava uma pessoa que me era muito querida para não entrar naquele carro naquela noite.

 

Adoro o cheiro a maresia, passear à beira mar, ler um bom livro refastelada no sofá, estar com os meus amigos.

 

Quero muito ir à Escócia, à Patagónia, à Islândia, à Nova Zelândia, de novo a Itália e à Finlândia.

 

Eu preciso que me saia o euromilhões (ou um prémio qualquer bem simpático) para poder virar costas a este emprego.

 

Não gosto de café nem de nada que leve ou saiba a café. De ter de acordar cedo todos os dias. Das birras da minha filha e de não saber o que lhe fazer nessas alturas!

 

 

Nomeações... a essa parte difícil:

C.S.MargaridaSusanaSonhadora... e quem mais queira responder! ;)