Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Vida da Gorduchita

A Vida da Gorduchita

26
Abr18

Para mais tarde recordar #51

Sentadas as duas à mesa, na hora de jantar: ela fixa num qualquer jogo no meu telemóvel e eu a dar-lhe a comida! (sim, eu sei, não é a melhor abordagem, mas ontem foi assim, pronto!)

 

A dado momento, vou eu com o garfo a caminho da boca dela quando ela, de súbito e sem intenção, lhe dá uma pancada e a comida cai toda na mesa.

  - PORRA! - berrei eu. (ontem ao fim do dia fui invadida por um cansaço que me condicionava o raciocínio... dêem-me um desconto)

 

Ela fica com um olhar muito surpreendido e triste a olhar para mim. Sei que a minha reação foi excessiva para o acontecimento, e balbucio um "desculpa" enquanto apanho a comida.

  S. (num tom de voz meigo) - Pede desculpa, mamã.

  Eu (inspirando e expirando, mas respondendo calmamente) - Já pedi, pequenina. Desculpa.

  S. - Dá-me um abraço.

 

Pousei o garfo e abracei-a. Faz-me uma festinha na cara, super carinhosa e diz-me baixinho ao ouvido:

   -Tens de te acalmar um bocadinho, mamã, 'tá bem?

 

23
Abr18

Breve regresso em 6 pontos

Primeiro:

Obrigada pelas palavras de apoio. Continuo sem grande inspiração, sem grande disponibilidade, mas continuo a gostar de aqui vir, escrever e ler. Posso não deixar tantos comentários, mas vou espreitando os vossos cantos (embora nem sempre faça uma leitura integral...). 

Dias mais inspirados e mais folgados virão! 

 

Segundo:

Terminei a leitura do "Pais à Maneira Dinamarquesa" (pode ser que ainda venha cá falar sobre ele). Uns dias depois, ganhei coragem e é desta: comecei a ler "A Queda dos Gigantes", de Ken Follett. Finalmente, vou ler a trilogia O Século! 

 

Terceiro:

Fui com a S. assistir a uma peça de teatro para crianças. Quer dizer, aquilo não era bem teatro, era um espectáculo musicado, com palhaços malabaristas! Bom, a definição não interessa. Interessa é que foi bastante engraçado e ela se divertiu imenso com os Irmãos Esferovite.

Tenho de andar mais atenta às agendas culturais das cidades que me rodeiam! 

 

Quarto:

Tentei ir dar sangue no sábado, mas não consegui. Volta e meia lá me acontece de o sangue não fluir devidamente e o processo de dádiva fica incompleto.

Resultado: tempo gasto, uma valente nódoa negra no braço mas boa ação por fazer! 

 

Quinto:

Na sexta-feira, eu e o marido celebrámos a maioridade da nossa relação: 16 anos de casamento + 2 de namoro = 18 anos a aturarmo-nos um ao outro.

Nem sempre é fácil, mas tem valido a pena! 

 

Sexto:

O crescimento da minha filha fascina-me a cada dia. Dou por mim com saudades de quando ela era tão pequenina que cabia inteira no meu colo, mas a maravilhar-me com as competências que vai desenvolvendo.

Ontem tivemos um churrasco convívio com alguns vizinhos e foi fantástico vê-la a conviver e brincar com as outras crianças presentes, e a conseguir estar desligada da nossa presença. Está mesmo a ficar crescida! 

 

 

19
Abr18

Não desapareci, mas quase...

Numa conjugação de falta de disponibilidade com falta de inspiração e falta do que dizer, tenho andado um pouco ausente destas lides. É muito provável que assim continue uns tempos.

 

Até que regresse num próximo post ficam a saber que:

  • Estou muito contente por verificar que ainda não é este ano que vamos pagar IMI. Pensava que o término da isenção tinha efeitos já este ano, mas pelos vistos é só em 2019 que nos começam a "ir ao bolso".
  • Nos últimos dias, e apesar do que escrevi há uns dias atrás, pareço uma lontra no que toca a doces, especialmente com os chocolates que andam pelos armários. 
  • Estou ansiosa que chegue a última semana de Maio para ir de férias (ainda parecem tão longínquas)...
  • A cada dia sinto mais que preciso dar uma volta a esta vida de ramram, todos os dias iguais aos anteriores e aos seguintes!...

 

11
Abr18

Porque gosto tanto da escola da minha filha

Há pequenas coisas que me deixam cada vez mais confortável com a escolha que fizemos para a educação (escola) da S.

E dentro dessas coisas, há algumas que me arrancam sorrisos e me aquecem a alma. Esta que vos vou contar é uma delas.

 

No arranque de um novo projeto, distribuíram a cada um dos "alunos" um pequeno saco de papel com alguns objetos e o seguinte texto (o negrito é meu):

 

"Bom dia aventureiros

 

Este é o vosso kit de sobrevivência para as próximas seis semanas.

Cada item do vosso kit tem um significado especial...

 

# A bola de algodão é para te lembrar que a nossa escola está cheia de palavras carinhosas e sentimentos bons.

# A estrela é para te lembrar o quanto és especial e o quanto podes brilhar na nossa constelação!

# O colete salva-vidas é para te lembrar que podes sempre vir ter connosco para te ajudarmos. Nós somos apenas alguns dos muitos salva vidas que podes encontrar na escola.

# A borracha é para te lembrar que cometer erros e falhar faz parte do processo de aprender. Nunca tenhas medo de falhar!

# O penso é para te ajudar a recuperar quando alguém magoou os teus sentimentos e para te lembrares de não magoares os sentimentos dos outros.

# O lenço de papel é para que possas ajudar a limpar as lágrimas dos teus amigos (e também para não teres de usar os dedos para tirar macacos do nariz!)

# O laço recorda-te que deves ajudar o teu grupo e na nossa escola somos um grupo unido!

# O marcador de livros é para que nunca te esqueças de ler, ler muito, ler livros cada vez mais desafiantes e alimentar a tua sede de aprender!

 

Gostamos muito de ti e vamos gostar muito de te ver a explorar o mundo neste novo projeto!"

 

Não acham o máximo? Eu adorei! 

 

10
Abr18

Coisas que não se compreendem e que revoltam!

Não é novidade, para quem me lê, que a minha filha nasceu no Hospital de São João, no Porto. Também não é novidade que por lá teve de ficar internada, quase 4 meses, devido à sua prematuridade.

Não me posso queixar, de forma alguma, dos cuidados que lhe foram prestados, mas as condições dos cuidados intensivos do serviço de neonatologia eram muito más. Para quem ficou internada numa das áreas já intervencionadas, como a Obstetrícia, como eu fiquei, o choque é terrível.

Não havia como não ficar mal impressionado na primeira visita (e todos os dias que ali se passam), e aquelas condições eram claramente um obstáculo adicional no suportar de toda aquela experiência. E um obstáculo evidente para a eficácia dos cuidados que eram prestados.

 

Felizmente, a S. teve alta sem passar pela Pediatria - nem todos os casos eram assim - que toda a gente dizia que ainda era pior

E felizmente, para quem agora tem de passar pelo mesmo que eu passei, as instalações são atualmente bem melhores (mudaram a neonatologia de zona dentro do hospital, para realização de obras).

 

Mas quando, quase 4 anos volvidos, leio notícias como esta esta, não posso deixar de ficar revoltada. Não dá para entender que, com tudo (teoricamente) aprovado, não se avancem com as obras do hospital pediátrico. Não dá para entender que coloquem crianças doentes em instalações provisórias e pouco dignas, há mais de 10 anos.

Não dá para entender que, um hospital da dimensão e centralidade do São João, não tenha o investimento que é necessário para continuar a prestar um bom serviço aos cidadãos.

O desinvestimento na saúde no nosso país é cada vez mais assustador. Mas quando mexe com crianças, revolta-me especialmente!

 

06
Abr18

Desafio 52 semanas | Semana 13 e 14

E esta semana, mais um 2-em-1. Falta de planeamento e sextas-feiras que calham em feriados... dá nisto! 

 

Semana 13: Fico envergonhada quando…

Bem... esta é complicada. 

Não sei se é bem vergonha, mas detesto que me corrijam, que me indiquem erros, que me apontem o dedo às falhas. 

 

Semana 14: Os meus sites favoritos na internet.

Outra complicada...

Para além de blogues, que sigo alguns, os sites que mais visito são o portal do Sapo - para me manter a par das notícias, e o site do meu banco - para me manter a par das minhas contas.

Estão longe de ser sites favoritos, são apenas aqueles que visito regularmente.

Não há, curiosamente, site nenhum em que "me perca"...

 

Neste TAG participam para além de mim, a 3ª face, a Ana, a Catarina, o Carlos, a Carlota, a Charneca em Flor, a Daniela, a Desarrumada, o David, a Fátima, a Happy, a Hipster Chic, a Isabel, a Mãe A, a Mariana, a Maria Mocha, a Marquesa de Marvila, a Mimi, a Paula, o P.P, a Sweetener, a Sofia  e o Triptofano 

(nomes ordenados alfabeticamente)

Espreitem o que cada um de nós vai respondendo ao longo do ano também podem espreitar pelo tag  52 semanas

04
Abr18

Luta contra os kilos | As minhas pequenas mudanças

Desde o início do ano, consegui livrar-me (espero que definitivamente) de aproximadamente 6kg.

Não é nada de especial. Se virmos bem, já passou um trimestre inteiro... dá uma média de 2kg por mês. Mas está a ser uma perda mais ou menos sustentada, a ritmo calmo mas consistente, resultado da introdução de pequenas mudanças na alimentação e nas rotinas.

 

1. Desde o primeiro dia do ano que bebo logo pela manhã, ao acordar e em jejum, um copo de água morna com sumo de meio limão. Não sei se contribui assim significativamente para a perda de peso, mas é unânime que faz bem ao organismo e não me tem custado nada fazê-lo.

Ando a considerar juntar uma pitada de pimenta caiena a este copo de água, para dar um boost ao metabolismo (a magical-fat-killer-formula de Miss Kale).

 

2. Deixei os doces durante a Quaresma. Foram 6 semanas e meia sem comer sobremesas, bolachas e bolos. Agora, tenho de tentar manter o ritmo de abstinência deste tipo de alimentos, pelo menos, numa base regular.

 

3. Deixei os elevadores. Como faço pouco exercício (devido a uma conjugação letal de falta de disponibilidade com falta de disposição), optei por subir escadas em vez de usar o elevador, sempre que posso. Às vezes exagero, pronto, mas no dia a dia, sempre é um add on.

 

4. Reduzi as quantidades. Mais do que cumprir escrupulosamente aquilo que a nutricionista me define no plano, ou abdicar de comer isto ou aquilo, faço por comer menos, seja do que for. Raramente repito doses e aquelas que como são normalmente mais pequenas do que eram antes de enveredar, a sério, nesta batalha contra o peso. Muitas vezes opto, inclusive, por fazer a refeição num prato de sobremesa, para criar a ilusão de prato cheio! :)

 

5. Estou ser seguida por uma nutricionista. Serve-me essencialmente como controlo. Ter alguém a quem reportar ajuda-me a manter regras adequadas na alimentação (ainda que não faça tudo como ela diz para fazer).

 

6. De quando em vez (uma vez por semana, talvez) faço um dia de jejum. Bem bem, deviam ser dois dias por semana, mas sinto que um já me ajuda. Sei que não é opção para muita gente, e que há muito quem seja contra esta abordagem, mas também há outros tantos a enumerar os seus benefícios e, a bem dizer, não custa praticamente nada e funciona!

 

7. Comecei a adicionar canela ao leite da manhã e/ou ao iogurte no lanche da manhã / tarde. Além de inúmeras outras propriedades benéficas para o organismo, parece que ajuda na perda de peso por aumentar o metabolismo e proporcionar uma sensação de saciedade durante mais tempo e rapidamente.

 

Estas são as minhas mudanças, que me têm trazido alguns resultados. E as vossas, quais são?

03
Abr18

Terra dos Sonhos | O musical

Musical-Terra-dos-Sonhos_480x380.jpg

"É possível encontrar a Terra dos Sonhos. Não um lugar longínquo de conto de fadas, mas o lugar onde nascem os sonhos, o lugar onde não há impossíveis, o lugar feito de infinito, mas que cabe dentro de cada um. Numa sala de espera de um hospital pode ser difícil de acreditar em tal coisa, mas a Marta, que tem 10 anos, e o Daniel que tem 15, vão perceber como vale a pena sonhar e vão viver essa aventura".

 

Esta é a descrição do espetáculo, solidário, a que ontem fomos assistir na Casa da Música. 

Não posso ser mais honesta: não sabia ao que ia! Os bilhetes foram oferecidos ao Gorduchito e não fizemos grande investigação sobre o assunto.

Atendendo ao nome do espectáculo, e pela apresentação, ainda o questionei se era um espectáculo para crianças, se não seria para ir ele com a S., mas sendo a um dia da semana às 21.30 achamos que não, não deveria ser.

 

Foi com este espírito que nos apresentamos ontem na Casa da Música, mas qual não foi o nosso espanto ao ver a quantidade de crianças que lá se encontravam. Algumas até da idade da S., a maioria mais velhas, mas ainda assim, muitos miúdos abaixo dos 10 anos.

"Se calhar é mesmo virado para o público infantil", pensamos.

 

Mas rapidamente, com o início do espectáculo, percebemos que não. Aquele não era um musical para crianças. Sim, tem momentos engraçados, de descontração, mas apesar de ter como intenção passar uma mensagem de esperança e de que é preciso acreditar e sonhar, o espectáculo é intenso. Como afirmou o Gorduchito "leva-se uns murros no estômago".

Tive as lágrimas nos olhos por diversas vezes. O coração apertado outras tantas.

Talvez porque tenho uma vivência pessoal em ambiente hospitalar. Talvez por saber o que é a incerteza da sobrevivência de um filho.

Não sendo defensora de que devemos esconder as coisas más das crianças, achei-o pesado para um público infantil. Não sei se as crianças presentes conseguiram sequer perceber o ritmo e o propósito da história.

 

Mas esquecendo isso:

O musical é absolutamente fantástico. As músicas são lindas, os atores/cantores são muito bons, o cenário e o guarda roupa encantadores. 

Aquilo que nos faz sentir é quase palpável, de tão intenso.

Não sei se voltará aos palcos, mas se voltar, recomendo vivamente. É mesmo a não perder. Mas não é para crianças

 

Terra dos Sonhos.jpg

Nota: espreitem o site da Terra dos Sonhos e vejam como podem contribuir.

03
Abr18

12 desafios para 2018 | Março

12.JPG

No final de Dezembro passado, e por desafio do Triptofano, defini 12 Desafios para 2018. Aqui fica o balanço de Março.

 

   1. Tornar o salão de casa num compartimento verdadeiramente operacional - Despachamos mais um móvel, onde estava colocada a impressora (cujo destino ainda está por decidir). E nada mais. Será Abril o mês do verdadeiro arranque?

   2. Perder peso (mais especificamente, caber naquele lindo vestido vermelho, nunca estreado) - Desde o início do ano, de acordo com a minha própria balança, perdi quase 6kg. Não sendo nada de especial, é resultado de um caminho sustentado que estou a fazer. 

   3. Colocar de lado, todos os meses, um valor igual (ou superior) ao que coloco no PPR - Março foi um mês para esquecer a nível financeiro. Não consegui poupar nada mais além do PPR.

   4. Ler a trilogia O Século, de Ken Follett - Foi um bom mês de leituras mas não peguei ainda na trilogia. Depois de terminar o que estou a ler, vai ser a minha aposta.

   5. Começar a usar eficazmente uma agenda (ou bullet journal ou... algo similar) - Eu e as agendas e o planeamento... não está fácil!

   6. Fazer o álbum de fotografias do 3º ano de vida da S. - Continua a zero.

   7. Conseguir caminhar, pelo menos, 1 hora por semana - Voltei a ser regular na piscina, o que já não é mau!

   8. Fazer uma festa bem gira pelo 4º aniversário da S.  - É só para Julho.

   9. Fazer uma viagem de avião com a S. (preferência: ir aos Açores) - Açores está pensado para Setembro. A ver se se concretiza!

  10. Começar a montar a "parede de fotografias" - Ainda não comecei.

  11. Levar marmita para o trabalho, pelo menos 15 dias por mês (incluindo snacks da manhã e da tarde) - Cumprido. Almocei fora, a custas minhas, apenas 4 vezes.

  12. Visitar com a S. estes sítios - Portugal dos PequenitosZoo de Santo InácioTorre dos ClérigosMuseu da Fábrica de Chocolate - Março foi um mês chuvoso que não despertou vontade de saídas. Mas neste mês que agora se inicia, prevejo conseguir visitar pelo menos um destes! :)

Pág. 1/2