Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Vida da Gorduchita

A Vida da Gorduchita

31
Mar17

Para mais tarde recordar #21

Uma das coisas que a S. mais gosta de fazer é andar a correr à volta da mesa da sala de jantar, seja atrás de nós seja a fugir de nós.

De vez em quando, optamos por uma versão alterada desta brincadeira, que consiste em andarmos à volta da mesa a imitar animais. Eu vou dizendo "agora somos... uma vaca" e andamos à volta da mesa a fazer "muuuu, muuuu"; "e agora somos uma galinha", e fazemos "cocorocó".

Ontem, ela estava a choramingar com qualquer coisa, e eu, para a distrair disse "sou um leão feroz atrás de ti" (ela adora esta) e ela começou a sorrir e a fugir de mim. De repente pára e muito compenetrada, diz "não, leão feroz não".

Eu-  Não? então, somos... uma galinha!

S. - Não, galinha, não. São esquisitas.

Eu - Então, somos um lobo.

S. - Não, o lobo faz um barulho que eu não gosto.

Eu - Somos um cão.

S. - Cão não.

Eu - Somos um gato.

S. - Gato não.

Eu (já a ficar sem ideias) - Então, bebé, que somos agora?

S. (com ar pensativo) - Hmmm... Acho que não podemos ser nada. Só podemos ser pessoas!

31
Mar17

Sugestão para o Fim de semana

Se são da zona do Norte (Porto e arredores), e ainda não têm planos para domingo (mesmo que tenham, repensem-nos, ehehe), apareçam na Praça dos Poveiros / Jardim de S. Lázaro para celebrar o Dia das Boas Ações.

gooddeedsday.png

 

Como poderão ler na página do Facebook, "O Dia das Boas Ações foi apresentado em 2007 pela empresária e filantropa, Shari Arison, e lançado e organizado por Ruach Tova (NGO), uma parte da The Ted Arison Family Foundation, a filial filantrópica do Grupo Arison. “Eu acredito que se as pessoas pensarem, falarem e fizerem coisas boas, os círculos de bondade irão crescer no mundo. O Dia das Boas Ações tornou-se o principal dia da partilha e neste ano, indivíduos, crianças, estudantes, soldados e empregados de muitas empresas unem-se pelo Dia das Boas Ações anual com o objetivo de fazer o bem ao próximo”, disse Shari Arison."

Apareçam, conheçam as organizações que por lá estarão a apresentar-se à comunidade, divirtam-se... e façam Boas Ações! :)

30
Mar17

Poupança - Balanço Mensal #3

E está (praticamente) terminado o primeiro trimestre de 2017. O tempo passa, realmente, a correr.

Março foi um mês (muito) mau no que a finanças diz respeito. A ponto de contaminar o Abril, que terá poucas probabilidades de ser algo de jeito, atendendo às despesas que derrapam deste mês.

Aqui fica a minha reflexão:

 

Primeiro:

Desafio das 52 semanas. Fraco, fraquinho. Muito, muito fraquinho! É certo que tenho de "bater" os valores todos mas...
    Semana 10:   3,00€

    Semana 11:   5,00€

    Semana 12:   6,00€

    Semana 13: 14,00€

               Total: 28,00€

 

Segundo:

Poupança global. Somando o valor acima a outros valores poupados, fiquei em 6% de poupança. Muito aquém do que pretendia. 
 
Terceiro:
Alimentação. Este mês almocei 4 vezes em restaurantes. Juntando um lanche que paguei aos meus pais, gastei 31,15€ em restauração / cafetaria. Foi um mês contido, neste aspecto (se não fosse, então é que era o descalabro). Em supermercado gastei cerca de 120,00€ (na verdade, mais uns 40€, porque parte foi para o cartão de crédito... ficou para Abril...). 
 
Quarto:
Despesas não rotineiras.
Quase 70€ em roupa de cama (1 edredão, 2 capas de edredão e dois lençóis de baixo) para a cama nova da S.
Quase 65€ entre consulta no pediatra e farmácia, com o facto da S. ter estado bastante atacada com tosse e pingo.
Quase 60€ entre livros (1 para mim, dois para a S.) e roupa para a S.
Quase 65€ para a reparação do retrovisor do carro, que parti numa pancada contra um poste. :|
Quase 80€ para os pneus que troquei no mês passado (e parte ainda vai ser pago com o salário de Abril).
 
E ainda ficaram coisas no cartão de crédito para o próximo mês (uns produtos de beleza orgânicos para a S. e para o maridão, e mais uma roupita para a S. - é aqui que me apercebo que tenho gasto algum dinheiro nesta componente, tenho de ser mais controlada)  (nota: pago sempre o cartão de crédito a 100%. Nunca pago juros, mas depois gasto novamente do cartão para conseguir vencer o mês. Não será a melhor forma de gestão das finanças pessoais, mas também não há perda.).
 
Abril avizinha-se como um mês muito difícil, ainda por cima com Páscoa pelo meio (temos 4 afilhados), mais o nosso aniversário de casamento, mais aniversário do meu Pai... 
Mas como se costuma dizer "entre mortos e feridos, alguém há-de escapar"!
29
Mar17

A fala dos animais

animais.jpg

Os cães... ladram.

Os gatos... miam.

As vacas... mugem.

As ovelhas... balem.

As abelhas... zumbem.

Os cavalos... relincham.

As galinhas... cacarejam.

Os patos... grasnam.

Os galos... cantam.

Os porcos... roncam.

Os ratos... roem... e chiam.

Os passarinhos... piam.

As cobras... sibilam.

Os leões... rugem.

Os burros... zurram.

Os lobos... uivam.

 

A S. sabe isto tudo. É a nossa ladainha dos últimos tempos. Eu digo os animais, ela diz qual a fala (nos ratos acha piada a dizer "roem" antes de "chiam"). Nem sempre é esta a ordem, claro. Vai à medida que me vou lembrando.

Mas é giro vê-la a responder (quase) sempre certinho! :)

 

28
Mar17

Abstinência de doces #2

1. No dia 18 tivemos uma festa de aniversário. Havia torta de laranja (nham, nham), bolo de aniversário e sei-lá-já-mais que outros doces. Não comi nenhum.

2. Fiz um bolo no dia do Pai, sem açúcar (substitui por tâmaras). Comi umas fatias ao longo daquela semana. Não sei se conta. Talvez não devesse ter comido de qualquer forma, mas como não tinha açúcar dei-me liberdade de o fazer.

3. Pontualmente tenho comido um nico de bolacha maria, impingido pela minha filha. "Come mãe. Come... É deliciosa." Depois de quatro ou cinco nãos, lá cedo para não continuar naquilo. A rapariga é muito persistente!!

4. Na semana passada comi uma mousse de manga com pudim de chia, sem adição de açúcar. Novamente, talvez não devesse ter comido, mas como era sem adição de açúcar, facilitei...

5. Anteontem havia pão de Deus em casa dos sogros. Não lhe toquei.

6. Ontem houve almoço comunitário da empresa. É dia em que cada um traz alguma coisa e partilhamos ao almoço. Como devem imaginar, havia bastante oferta de sobremesas - leite creme (já vos disse que é o meu doce favorito), pannacota de frutos vermelhos (adoro pannacota), mousse de oreo, queijadas (adoro queijadas). Comi uma tangerina.

 

Não estou a ser tão rigorosa como talvez devesse, mas a verdade é que me tenho mantido longe das doçuras mais deliciosas e que mais prazer me trariam. E isso deve valer de alguma coisa! :)

27
Mar17

Boas notícias

Ontem submeti a leitura do contador na app da EDP.

Pelas minhas contas, a fatura do próximo mês será significativamente mais baixa que as anteriores . Não fui apanhada de surpresa; tenho feito leituras quase diárias ao contador para ir acompanhando a evolução dos consumos, em função da nossa utilização dos equipamentos.

Valeu a pena ajustar as horas de funcionamento do termoacumulador. E penso que também a intervenção técnica no equipamento, que reduziu (eliminou?) as circulações indevidas de água entre os painéis e o termoacumulador.

São boas notícias para as nossas contas! :)

 

 

26
Mar17

A caminho do desfralde - pequenos passos

A S.ainda não largou as fraldas. No verão passado, com dois anos recentemente feitos, não a senti preparada para essa mudança.

Poderia ter feito como tantas outras famílias fazem, ter forçado, mas não é o meu estilo. Prefiro respeitar o ritmo dela. E ela não estava, de forma muito evidente, nada alinhada com essa transição.

Volta e meia, vamos-lhe falando de fazer o seu xixi no pote mas ela não quer e ninguém insiste demasiado.

Esta semana, já por duas vezes, fez o primeiro xixi da manhã (ela acorda habitualmente com a fralda seca) sem ser na fralda. Na quinta dia, no bidé em casa da avó; na sexta no seu potinho em casa.

Acho que estamos a abrir caminho, sem pressas! Pequenos passos hão-de chegar a grandes resultados! :)

 

desfralde-1.jpg

 Nota: A S. ainda não consegue saltar com os dois pés juntos!

25
Mar17

Com o mal dos outros...

Em conversa com um conhecido, dizia ele que a nossa reação a determinadas coisas depende claramente se se passam na nossa casa (com as nossas pessoas) ou na casa dos outros.

Isto a propósito de a filha, uma adolescente de 16/17 anos, lhe ter perguntado um destes dias que diria ele se ela lhe dissesse que tinha uma namorada (pelos vistos, a filha tem uma amiga que tem tido problemas muito sérios com a mãe exatamente por aquele motivo).

Ele, o meu conhecido, argumentava que até era liberal, mas em casa dos outros.

 

Penso que todos gostamos de acreditar que somos diferentes disto, ou seja, que somos coerentes com as nossas crenças, as nossas convicções, sejam elas aplicáveis às nossas pessoas ou "aos outros".

Mas acho que praticamente toda a gente tem reações "enviesadas".

Gosto de acreditar que, se a minha filha, daqui a muitos anos, me disser que tem uma namorada, reagirei como reajo relativamente a outras pessoas: é uma escolha dela e desde que a faça feliz (o mais importante), eu respeito e aceito.

Mas noutras situações, se calhar, já não seria assim coerente.

Sou claramente contra a pena de morte e toda a forma de tortura. Mas, se algum dos crimes hediondos que tantas vezes ouvimos falar fosse cometido contra as pessoas de quem mais gosto, talvez não tivesse a clarividência de manter as minhas convicções. 

E isto talvez seja normal. Quando nos toca a nós, é mais difícil ser racional. A parte emocional fala imediatamente mais alto!

 

Como se costuma dizer "com o mal dos outros posso eu bem" ou, numa versão mais vernácula "pimenta no ** dos outros, para mim é refresco"!

Será?

 

23
Mar17

A primeira oração

Ensinei a oração do Anjo da Guarda à S. Memorizou-a em 3 dias!

É uma delícia ouvi-la a rezá-la, quando, deitadas na sua camita, lhe digo: " e agora vamos rezar a nossa oração"!

oracao-anjo-da-guarda-versao-2-vinil-decorativo-pa

 

Rezei-a, vezes sem conta, quando a S. estava no hospital. Acredito que ela tem um anjo da guarda, bem forte, que a protegeu naquele período... e tem protegido desde que nasceu.

Que assim continue!

Pág. 1/3