Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Vida da Gorduchita

A Vida da Gorduchita

27
Ago15

Quartos Montessorianos

Hoje, através do facebook do blog Mae me Quero, "ouvi" falar pela primeira vez do método Montessori, mais concretamente dos quartos montessorianos.
Nunca tinha cruzado com tal termo, não fazia ideia do que era e por isso fui espreitar o dr google que tudo sabe.

E apaixonei-me pelo conceito:

  • Colchão no chão ou cama baixinha
  • Estante de fácil acesso com as coisas / brinquedos da criança
  • Espelho ao nível do olhos
  • Tapete para brincar (andar à vontade)
  • ... (podem espreitar aqui e aqui, para perceber melhor). 

Acho que vou fazer umas mudanças no quarto da minha pequerrucha.

Aqui ficam algumas imagens (retiradas dos sites acima identificados):


Livre escolha

Imagens: http://www.thebluepost.com.br e http://www.meetmotandpea.com

Imagens: http://www.thebooandtheboy.com e http://pinningaisha.posterous.com

Não ficam o máximo? E muito melhor que com as camas de grades, que parecem prisões e das quais os bebés tanto gostam de tentar sair (com risco de caírem e se magoarem)?

27
Ago15

Há dias que começam mal

E hoje é um desses dias!
Estava tudo alinhado, a pequerrucha acordou bem disposta, tomou o leitinho todo, consegui tomar banho com ela a observar-me da espreguiçadeira super calma... estava tudo on time (o que não tem sido fácil de manhã)...
Até que a sentei no sofá. Virei as costas um segundo para acender a luz e... claro, adivinharam, a cachopa atirou-se do sofá abaixo!

Penso que foi a sua primeira queda a sério. Apanhei um grande susto, ela também que acho que chorou mais do susto que da dor - o sofá não é assim alto e ela caiu no tapete!
Agarrei-a logo para junto de mim, com o choro vomitou grande parte do leite por cima de mim e dela...
Lá se acalmou no meu colito. E logo de seguida chegou a ama dela, que me ajudou, dando-lhe um banhito e vestindo-lhe roupa lavada enquanto também eu me fui novamente arranjar para sair.

Estava toda bem disposta quando saí de casa, como se nada se tivesse passado, mas eu ainda tenho o coração meio apertado, de preocupação e de culpa!
Sei que isto vai acontecer mais vezes mas... Não gosto!!



26
Ago15

A ficar crescida

Ontem, como habitualmente, quando fui deitar a cachopa, ela virou-se e revirou-se. É um ritual dela, que em geral, ao fim de relativamente pouco tempo (entre 10 a 30 minutos) leva a um sono reparador, que dura cerca de 10 horas (em quase todas as noites).
Qual não foi o meu espanto, quando nas suas reviravoltas, a miúda fica sentada? Foi a primeira vez que passou da posição deitada para sentada! Fiquei fascinada a olha para ela, que estava a olhar para mim com o seu lindo sorriso!
E pode parecer uma coisa de nada, mas representa um passo importante dela, em termos de desenvolvimento físico. É uma transição que não é fácil, e se calhar não vai voltar a fazê-la já hoje ou amanhã, mas está provado que já consegue e daqui para a frente já ninguém a pára! :)
24
Ago15

Da coerência

Hoje acordei e pensei: "Vou pesar-me e fazer esta semana direitinha. Agora sim, vou levar isto a sério."
Cheguei ao trabalho, e comi uma fatia de bolo de chocolate que trouxe uma colega!
Está a correr bem! :P

21
Ago15

Pensamentos vários...

... Hoje não me pesei. A semana foi fraca em termos de controlo alimentar e por isso preferi nem ver o resultado. Sei que não é uma boa estratégia mas que fazer?
Ando com pouca vontade, pouco determinada. Uns dias faço as coisas muito direitinhas e logo de seguida, tenho uns dias a estragar tudo. Acho que a minha cabeça não anda nas suas melhores fases.
Sei que depende apenas de mim contornar esta situação mas não me sinto preparada / capaz de o fazer.

... Tenho adorado os momentos que passo com a minha pequenina. Reage cada vez mais, está cada vez mais resmungona (parece nunca querer estar no sítio onde está) mas cada vez mais gira.
Adoro o sorriso que me dá quando a vou buscar de manhã à sua camita, adoro quando se encosta a mim cheia de sono, adoro vê-la a meter pequeninos bocados de pão à boca...

... Continuo a sentir-me um bocado incapaz como mãe. Sei que há imensas que coisas que deveria fazer de outra forma, em especial a parte da alimentação, mas por esta ou aquela razão, vou-me mantendo com as mesmas rotinas...
Tenho de rapidamente, começar a introduzir outros alimentos, outras texturas... sob pena de ser demasiado tarde e tornar este processo muito mais difícil!
Tenho de começar a habituá-la a estar sozinha (algo que ela nunca gostou, sempre exigiu muita companhia), começar a saber dizer não (ainda que nesta fase ela não perceba verbalmente, temos de passar a mensagem do que pode ou não fazer)...

14
Ago15

Um pouco melhor

Ter escrito o post anterior parece ter-me dado alguma paz de espírito. Verbalizar, registar aquilo que há muito me ia (vai) na alma, conseguiu de alguma forma reduzir aquele sentimento de incompetência.
De cada vez que estou com a minha bebé, tento ser um pouco melhor. E vê-la sorrir para mim, resmungar quando sai dos meus braços para ir para outros é (tem de ser) o suficiente para perceber que sou importante para ela e que ela gosta muito de mim.

Fecho esta semana um pouco mais "resolvida" comigo mesma.
Até porque o peso, esse malandro, também decidiu cooperar, depois de uns dias de alimentação regulada, sem desvios de registo.
Hoje de manhã, estava com 66,9kg.
Basta continuar no caminho certo - da alimentação e da maternidade - e com o tempo lidarei cada vez melhor com quem sou! :)

12
Ago15

Da maternidade...

Todos os dias luto contra mim mesma quando me assola o pensamento de que não sou (nem serei) uma boa mãe para a minha pequenina.
Todos os dias sinto que não serei capaz de ser aquilo que ela precisaria que eu fosse.
Sinto que não tenho o perfil que uma boa mãe deve ter.

A cada momento que me dá a preguiça de fazer algo mais adequado para a alimentação dela, a cada momento que não sei mais o que fazer para a entreter, cada momento que olho para o relógio para ver se não são horas de a pôr a dormir... A cada momento destes, sinto que não sou boa mãe.
Aterroriza-me pensar que não sou (nem serei) capaz de a fazer feliz, de passar tempo com ela em pleno (sem estar a maquinar outras coisas na minha cabeça), de brincar com ela...
Aterroriza-me pensar que não serei capaz de criar com ela os laços que gostaria, que poderei não ver um brilho nos olhos dela de cada vez que me vê...

Não sei como contorno isto... mas sinto que não sou boa mãe...

Pág. 1/2