Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Vida da Gorduchita

A Vida da Gorduchita

22
Jan18

...

Mudança-de-Vida-como-o-coaching-vai-mudar-suas-pe

Há muito tempo que tenho vontade de mudar de rumo profissional. Não é que não goste do que faço, mas estou cansada desta área, cansada de estar na empresa onde estou. 

A grande questão que me coloco é: fazer o quê? Onde? 

Nunca fui de grandes sonhos ou objetivos para a minha vida (seja pessoal seja profissional), fui mais um "go with the flow" e, por isso, agora debato-me com o que gostaria de fazer. Mais ainda: o que seria capaz de fazer. Com uma dificuldade (enorme) acrescida: que me dê o mesmo nível de rendimento que agora tenho. 

 

Não posso, nesta fase da minha vida, abdicar do salário que tenho. A margem já é curta para as despesas que temos assumidas. Alterar isso implicaria implementar mudanças muito relevantes na nossa vida, abdicar de coisas que não estou, neste momento, disposta a abdicar.

 

No fim de semana, falava com a minha melhor amiga, também ela anda cansada da vida que leva, do trabalho que faz. Dizia-lhe que precisava de uma ideia luminosa, ao que me respondeu: vai pensando que eu também vou. Se me ocorrer algo, digo-te! 

Sei, no entanto, que ela tem uma margem de manobra financeira, que eu não tenho, seja por não ter filhos, seja por ter rendimentos superiores aos meus (nossos), seja por ter feito melhores escolhas e tomado melhores decisões ao longo da sua vida. E por isso, no momento em que realmente estiver no limite, poderá, se assim o entender, simplesmente parar e dar-se "ao luxo" de não trabalhar por uns tempos, até que a ideia luminosa lhe surja.

 

Eu não posso fazê-lo. Terei sempre de trabalhar até ao dia em que me apareça uma outra fonte de rendimento, que permita pagar as minhas contas.

 

E ao pensar nisso, tenho alguma dificuldade em compreender uma colega de trabalho, que afirmando-se cansada/farta de trabalhar na empresa onde estamos, tendo já uma ideia de negócio (do que entendo, perfeitamente viável) e tendo possibilidade de arrancar com ele (com financiamento do namorado, com quem vive há anos), opta por se manter onde está, porque não quer ficar a dever-lhe.

São opções, bem sei, cada um toma as suas e quem sou eu para julgar, mas estivesse eu na posição dela, e há muito que não estava onde estou!

E vocês? Partiam para novos desafios, com financiamento da cara-metade, ou preferiam ficar num sítio que não vos motiva, não ficando a dever nada a ninguém?

 

24 comentários

Comentar post